Recriação Histórica

De 20 a 22 de julho, viajamos até ao tempo em que as freiras habitavam o convento. As monjas voltam a respeitar os seus tempos de oração no cadeiral, regem a sua vida na sala do capítulo, dedicam-se às artes e aos cuidados médicos. Chegam individualidades de toda a parte que se cruzam com o povo que, sem sair da sombra do mosteiro, canta e dança enquanto descansa do labor dos seus ofícios.

A vila veste-se a rigor para a festa de S. Bernardo. Revivem-se episódios das lutas liberais, mas também momentos da vida religiosa, com destaque para a eleição da abadessa, figura de poder religioso e temporal por estas terras, para a tonsura, o momento em que as noviças renunciam às vaidades do mundo, cortando os cabelos e largando as suas vestes laicais, e para a morte da última freira. Apesar da lonjura, religiosas e povo sentem as repercussões do mais destrutivo sismo de que há registo em Portugal: o terramoto de 1755, em Lisboa.

Faça parte desta história.

Programa

Sexta-feira | 20 de Julho’18
(19h00 às 00h30)

19h00 | Arruada de bombos (Ruas da Vila)
19h15 | Pregão – Pregoeiro anuncia a abertura do evento ao povo de Arouca (Portão do Terreiro)
19h30 | Charamela (Portão do Terreiro)
19h40 | Abertura do Terreiro – Abrem-se as portas do Terreiro por ordem da Madre Porteira (Portão do Terreiro)
19h50 | Abertura das Portas do Mosteiro – A vida quotidiana das monjas acontece em todos os espaços monásticos. Nos Claustros, nas Celas, na Cozinha, na Botica, na Enfermaria, na Rouparia, no Arquivo, na Sala da Cera e na Sala da Aprendizagem. Entoam-se cânticos e sente-se a oração silenciosa (Portaria do Mosteiro)
20h00 | Abertura dos Locutórios – Neste local, monjas recebem visitas dos seus familiares e amigos. As conversas são de vária ordem, algumas delas desabafam sobre a sua vida de clausura. Mestre do Arquivo recebe o seu Primo Fidalgo (Portaria do Mosteiro/Locutório)
20h05 | Assalto local – Em dia de festa, a vila inundada de nobres também pode ser alvo dos gatunos de plantão (Ruas da Vila)
20h30 | Monjas recebem visitas dos seus familiares e amigos. Freira recebe um Fidalgote (Portaria do Mosteiro/Locutório)
21h00 | Eleição da nova Abadessa (Cadeiral/Igreja do Mosteiro)
21h50 | Abertura da Casa do Despacho – A nova Abadessa recebe o Abade Geral de Alcobaça. Neste mesmo espaço também recebe artistas que atuam especialmente para si (Casa do Despacho)
21h45 | Abadessado – Poetas celebram a eleição da nova Abadessa (Portaria do Mosteiro)
22h00 | Cordel – A Vila de Arouca é animada por artistas saltimbancos que povoam o imaginário dos visitantes com a Lenda das Pegas e da Rainha Santa Mafalda (Palco Concha)
22h15 | Tonsura – É o primeiro passo necessário para ingressar na vida religiosa e simboliza a renúncia às vaidades do mundo (Portaria do Mosteiro)
22h45 | Reunião de Capítulo – Sob a Presidência da Abadessa, com a presença dos membros da comunidade religiosa, tratam-se assuntos da vida conventual e lê-se um capítulo da Regra Beneditina (Mosteiro/Sala do Capítulo)
23h00 | Cordel – Artistas saltimbancos povoam o imaginário dos visitantes com a Lenda das Laranjas do Burgo (Palco Concha)
23h05 | Freira recebe o Velho Fidalgo (Portaria do Mosteiro/Locutório)
23h10 | A nova Abadessa recebe o Capitão Vaz Pinto. Neste mesmo espaço também recebe artistas que atuam especialmente para si (Casa do Despacho)
23h15 | Roda dos Enjeitados – Recém-nascido é abandonado (Casa dos Enjeitados)
23h30 | Fecho das Portas do Mosteiro – Freiras recolhem-se nas suas celas, para descanso.
23h40 | Romaria de S. Bernardo (Ruas da Vila)
00h00 | Fogo-de-artifício – Celebração em honra de São Bernardo
00h10 | Arruada de Bombos (Ruas da Vila) 


Sábado | 21 de Julho’18

(15h30 às 00h30)

15h30 | Arruada de bombos (Ruas da Vila)
15h45 | Pregão – Pregoeiro anuncia os próximos acontecimentos ao povo de Arouca (Palco Tabernas)
16h00 | Charamela (Portão do Terreiro)
16h10 | Abertura do Terreiro – Abrem-se as portas do Terreiro por ordem da Madre Porteira (Portão do Terreiro)
16h15 | Cerimonial da Entrega das Varas das Justiças – Após um sorteio realizado pelas mãos de uma criança, a Abadessa entrega as Varas do Poder Municipal (Portaria do Mosteiro)
16h40 | Frei Simão de Vasconcelos – Monge apóstata e guerrilheiro, é preso em Arouca (Terreiro)
16h50 | Abertura das Portas do Mosteiro – A vida quotidiana das monjas acontece em todo o espaço do Mosteiro (Portaria do Mosteiro)
17h00 | Cordel – Apesar da forte tensão que se sente na Vila, devido aos rumores de invasão liberal, os artistas saltimbancos continuam a animar os visitantes com a Lenda do Preto de Terçoso (Palco Concha)
17h00 | Abertura do Celeiro – O armazenamento de mantimentos e controlo de carga e descarga é rigoroso, muitos dependem da ajuda do Mosteiro e há quem, por falta de dinheiro, pague suas promessas em víveres (Celeiro)
17h00 | Abertura dos Locutórios – Freiras continuam a receber visitas dos seus familiares e amigos. As conversas são de vária ordem, algumas delas desabafam sobre a sua vida de clausura. Leitora-mor recebe jovem Viúva (Portaria do Mosteiro/Locutório)
17h10 | Mestre Gaspar Ferreira – Visita às obras do Mosteiro com o Padre Feitor (Mosteiro)
17h15 | Auto da Aclamação da Rainha D. Maria II (Antigo Edifício da Câmara Municipal/Cadeia)
17h30 | Abertura da Casa do Despacho – Abadessa continua disponível a receber visitantes e convidados gerindo a relação entre o exterior e o interior do mosteiro. Recebe Mestre Gaspar Ferreira para falar das obras no Mosteiro (Casa do Despacho)
17h45 | O Barbeiro-sangrador trata Freira doente (Mosteiro/Cela da Freira Doente)
18h00 | Freira recebe o Velho Fidalgo (Portaria do Mosteiro/Locutório)
18h15 | Abadessa recebe Administrador de Vila Meã para receber um pedido especial (Casa do Despacho)
18h30 | Poetas ao desafio – Mesmo sem autorização, muitos poetas boémios reúnem-se para declamar os seus poemas de improviso (Ruas da Vila)
18h35 | Mestre das Noviças recebe o Primo do Fidalgote (Portaria do Mosteiro/Locutório)
18h40 | Caridade – Criadas, supervisionadas pela Madre Celeireira, distribuem esmolas aos pobres (Celeiro)
19h00 | Abadessa recebe Casal de Fidalgos para uma visita (Casa do Despacho)
19h15 | Assalto local – Em dia de festa, a vila inundada de nobres também pode ser alvo dos gatunos de plantão (Ruas da Vila)
19h30 | Ceia – Algumas freiras fazem a sua refeição da noite nas suas celas (Mosteiro/Celas das Monjas)
20h00 | Cordel – Artistas saltimbancos povoam o imaginário dos visitantes com a Lenda das Laranjas do Burgo (Palco Concha)
20h15 | Freira recebe o Velho Fidalgo (Portaria do Mosteiro/Locutório)
20h30 | Cordel – Artistas saltimbancos povoam o imaginário dos visitantes com a Lenda das Pegas e da Rainha Santa Mafalda (Palco Tabernas)
21h00 | Visita do Padre Confessor (Mosteiro/Enfermaria)
21h30 | Madre Celeireira pede para fechar as portas do celeiro, para descanso (Celeiro)
21h45 | Tonsura – É o primeiro passo necessário para ingressar na vida religiosa e simboliza a renúncia às vaidades do mundo (Portaria do Mosteiro)
22h00 | Roda dos Enjeitados – Um desconhecido abandona um recém-nascido (Casa dos Enjeitados)
22h15 | Reunião de Capítulo – Sob a Presidência da Abadessa, com a presença dos membros da comunidade religiosa, lê-se um capítulo da Regra Beneditina e fala-se da vida quotidiana do Mosteiro (Mosteiro/Sala do Capitulo)
22h30 | Prisioneiros são visitados por familiares (Cadeia)
23h00 | Frei Simão de Vasconcelos parte escoltado para Lamego (Cadeia/Ruas da Vila)
23h00 | Fecho das Portas do Mosteiro
23h50 | Violentos abalos fazem tremer as grossas paredes do Mosteiro – No primeiro dia de Novembro do ano de 1755 da era de Nosso Senhor Jesus Cristo, quando a igreja do mosteiro se encontrava cheia de crentes que assistiam à missa, depois de um forte estrondo vindo das entranhas da terra, violentos abalos fizeram tremer as grossas paredes do templo, chegando a provocar a queda de alguns pináculos e fraturas no arco do coro. As pessoas em pânico correram para a porta, invocando em altos gritos a misericórdia de Deus e o perdão dos seus pecados. Muitas ficaram feridas por serem pisadas pela multidão em debandada (Ruas da Vila)

Depois do pânico, a população ainda se encontra abalada, mas volta ao seu quotidiano. Ainda se ouvem alguns rumores do sucedido.

Domingo | 22 de Julho’18
(14h00 às 20h00)

14h00 | Arruada de Bombos (Ruas da Vila)
14h30 | Pregão – Pregoeiro anuncia os próximos acontecimentos ao povo de Arouca (Praça de Baixo)

14h30 | Concerto pelo Grupo Vocal Olisipo (Igreja do Mosteiro)

14h45 | Charamela – O Terreiro do Mosteiro e as ruas de Arouca continuam em Festa (Palco Concha)
15h00 | Abertura das Portas do Mosteiro – Inicia-se a vida quotidiana no espaço clausural (Portaria do Mosteiro)
15h00 | Cordel – Artistas saltimbancos povoam o imaginário dos visitantes com a Lenda das Pegas e da Rainha Santa Mafalda (Palco Tabernas)
15h10 | Abertura do Celeiro – O armazenamento de mantimentos e controlo de carga e descarga é rigoroso (Celeiro)
15h15 | Procissão – Realiza-se procissão no interior do Mosteiro para pedir perdão divino em resposta ao terramoto (Claustros do Mosteiro)
15h30 | Reunião de Capítulo – Sob a Presidência da Abadessa, lê-se um capítulo da Regra Beneditina, fala-se da vida quotidiana e explica-se a fúria do poder divino do dia anterior (Mosteiro/Sala do Capítulo)
16h00 | Abertura dos Locutórios – Freiras continuam a receber visitas dos seus familiares e amigos. Sub-Prioriesa recebe Procurador do Mosteiro (Portaria do Mosteiro/Locutórios)
16h00 | Caridade – Criadas, supervisionadas pela Madre Celeireira, distribuem esmolas aos pobres (Celeiro)
16h30 | Cordel – Apesar da forte tensão que se sente na Vila, devido aos rumores de invasão liberal, os artistas saltimbancos continuam a animar os visitantes com a Lenda do Preto de Terçoso (Palco Tabernas)
16h45 | Abertura da Casa do Despacho – Abadessa recebe o Administrador de Vila Meã para comunicar a decisão do Rei (Casa do Despacho)
17h00 | Auto da Reclamação de D. Miguel I (Antigo Edifício da Câmara Municipal/Cadeia)
18h00 | Poetas ao Desafio – Uma espécie de torneio poético começa depois do toque melancólico das trindades (Ruas da Vila)
18h15 | Episódio das guerras liberais – A notícia da morte do Capitão Vaz Pinto causa alvoroço entre os populares (Ruas da Vila)
18h20 | Freira recebe Fidalgote (Portaria do Mosteiro/Locutórios)
18h30 | Uma freira doente é visitada por Padre-confessor (Mosteiro/Enfermaria)
18h30 | Abadessa recebe Mestre Gaspar Ferreira para tomar conhecimento dos estragos causados pelo terramoto (Casa do Despacho)
18h50 | Morte da última Freira – Ano de 1886, Dona Maria José de Gouveia Tomar Melo e Meneses morre na cela. As últimas criadas transportam o corpo para o Cadeiral, onde fica em vigília. Cá fora, o povo exige que o corpo seja enterrado no Capítulo. Os padres não concordam com esta decisão e o povo exalta-se (Mosteiro/Cadeiral/Terreiro)
19h00 | Despique de Bandas (Praça de Baixo)
19h30 | Fecho das Portas do Mosteiro e Celeiro
19h45 | Encerramento (Praça de Baixo)
20h00 | Arruada de bombos (Ruas da Vila)

Programa sujeito a alterações

Imprimir